Um post rápido para colocar uma citação do livro “Still Writing”, da escritora Dani Shapiro, que li neste post  do site Brain Pickings (que é fantástico, um blog obrigatório para escritores, porém com textos em inglês).

We are all unsure of ourselves. Every one of us walking the planet wonders, secretly, if we are getting it wrong. We stumble along. We love and we lose. At times, we find unexpected strength, and at other times, we succumb to our fears. We are impatient. We want to know what’s around the corner, and the writing life won’t offer us this. It forces us into the here and now. There is only this moment, when we put pen to page.

[…]

The page is your mirror. What happens inside you is reflected back. You come face-to-face with your own resistance, lack of balance, self-loathing, and insatiable ego—and also with your singular vision, guts, and fortitude. No matter what you’ve achieved the day before, you begin each day at the bottom of the mountain. … Life is usually right there, though, ready to knock us over when we get too sure of ourselves. Fortunately, if we have learned the lessons that years of practice have taught us, when this happens, we endure. We fail better. We sit up, dust ourselves off, and begin again.

Tradução:

Still-Writing-by-Dani-Shapiro

“Nós todos somos inseguros. Cada um de nós andando pelo planeta se pergunta, secretamente, se nos estamos fazendo tudo errado. Nós tropeçamos pela vida. Nós amamos e nós perdemos. As vezes, nos encontramos uma força inesperada, e em outras vezes, nós sucumbimos sob os nossos medos. Nós somos imacientes. Nos queremos saber o que está para acontecer, e a vida de escritor não irá oferecer isto. Ela irá nos forçar a viver no aqui e no agora. Existe apenas este momento, quando nós colocamos a caneta no papel.

(…)

A página é o seu espelho. O que acontece dentro de você é refletido de volta. Você se vê frente a frente com a sua própria resistência, falta de equilíbrio, complexo de inferioridade e seu ego insaciável – e também com sua visão singular, coragem e fortitude. Não importa o que você tenha conseguido no dia anterior, você começa todos os dias na base da montanha. Porém, a vida está normalmente logo ali, pronta para nos derrubar quando ficamos muito autoconfiantes. Fortunadamente, se nós aprendermos as lições que os anos de prática nos ensinaram, quando isso acontece nós perseveramos. Nos falhamos de uma maneira melhor. Nos sentiamos, tiramos o pó do corpo e começamos novamente.”

 

Isso resumo o que eu sinto em relação a vida de escritor. Ou melhor em relação a vida em si, pois não existe diferença (ou não devia existir diferença) entre a vida de um escritor e sua própria vida.

 

 

Anúncios