Resenha:The Slow Regard of Silent Things (A Música do Silêncio) – Patrick Rothfuss (Crônicas do Matador Rei 2.5) #nitroblog

Li o Nome do Vento (The Name of the Wind) e o Temor do Sábio (Wise Man’s Fear) assim que saíram em inglês, ou seja, já tem alguns anos, e já estava seco de vontade de retornar à prosa poética e musical do Patrick Rothfuss. Assim que soube que ele publicou uma noveleta de 150 páginas sobre a personagem Auri, corri para conferir a última obra do barbudão doidimais. E curti muito, mas já aviso, é um conto de pegada mais literária, não vai agradar quem busca uma história mais tradicional, com arco narrativo, clímax etc.

Untitled-14

O conto, que será lançado no Brasil com o título de A Música do Silêncio pela Editora Arqueiro, foca no dia a dia da Auri, uma personagem enigmática (e bem doidona) da saga do Matador Rei. Mais uma vez, o texto mostra a habilidade literária de Rothfuss, com metáforas e símiles bem trabalhadas, e uma musicalidade poética que permeia a leitura. O mundo e o ponto de vista peculiar de Auri, ela se relaciona com objetos inanimados como se fossem seres vivos e conscientes, é descrito em muitos detalhes. Pela primeira vez Rothfuss usa a terceira pessoa limitada em sua prosa, e o fez de maneira habilidosa e exemplar. O que mais gostei nessa novela é o modo como a narrativa coloca o leitor dentro da pele e da mente perturbada de Auri.

Como o Patrick avisa na introdução, o ideal é ler esse conto depois da leitura dos dois primeiros volumes da série. Não acontecem revelações importantes para a saga, o máximo que percebi foi um aprofundamento no modo como funciona a alquimia. O texto transborda de sensibilidade e aprofunda muito a personagem Auri (que já era uma das minhas favoritas da série). Como disse, o texto é mais uma exploração literária do mundo e do ponto de vista da Auri e pode ser lenta e chata para alguns leitores, assim, estejam avisados! 🙂

Fica a recomendação, principalmente para escritores interessados em estudar uma prosa bem feita, uma aula de como fazer uma magnífica descrição e exploração de lugares em terceira pessoa limitada e profunda.

E agora, como acabou de sair o The Empty Throne, oitavo livro das Crônicas Saxônicas do Bernard “Parede de Escudos” Cornwell e eu TENHO que saciar o meu vício saxão de qualquer maneira, vamo que vamo de novo para Nortumbria! 🙂 E vamos ler porque ler é DOIDIMAIS! 🙂

Anúncios

3 comentários

  1. O Patrick tem uma escrita excelente, que consegue ser moderna e tradicional ao mesmo tempo. Sei lá, não dá para explicar o que ele faz. rsrs Adorei o conto.

    Volte mesmo para Bernard Cornwell, estou adorando ler as suas resenhas, assim que eu ler os livros volto aqui para comentar. Abs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s