Mais uma poesia para o livro-em-andamento Româs Sem Cor, que pode ser lido na minha página no Whattpad. Espero que gostem, esse levou um bom tempo para ficar pronto. 🙂

Ecce Ego, Ecce Caos

Ecce Ego
máscara imperfeita do caos de contradições chamado alma

Que sejas Caos

“para além ser escuta, ,ser contradições, narrativa se és certo, ,Caos viras, Ego não fim para narrativa, você, um dia, real, fim do ser que és”

Ecce Ego
se és narrativa
se escutas a arenga eterna
“você está vivo, você está comendo, você está escrevendo…”

Que sejas Caos

“mundo átomo, muda escrevendo, comendo narrativa, viras, primata, o vivo, segundo poesia, Ego de ser Caos”

Ecce Ego
certo de ser corpo, certo de ser mente, certo de ser coração
certo das narrativas
primata decapitado do real
começo-meio-fim (não, o fim não, não o fim, não quero o fim, não tenho fim, narrativa, mais narrativa, uma narrativa para além do fim pelamordedeusumanarrativaparaalémdofim!)

Que sejas Caos

“fim, de corpo, o cada não, não o Caos, decapitado, vivo, roupas, um fim para o fim, tu és a escuta do mundo , está ego imperfeita tua existência, mas o fim, você, átomo, mente,”

Ecce Ego
um para cada dia da semana
um para cada hora do dia
um para cada segundo da hora
um para cada átomo que forma teu corpo

Que sejas Caos
que vires Poesia

Newton Nitro 02/03/2015

ecce ego capa

Anúncios