Iniciando a leitura da trilogia da Filha da Fumaça e Osso, uma série de romances sobrenaturais muito elogiada! 🙂

Daughter of Smoke & Bone – Feita de Fumaça e Osso (Smoke & Bone #1) – Laini Taylor | 422 pages, Brown Books, 2011 | Lido de 29.05.17 até 01.06.17 | NITROLEITURAS

SINOPSE

Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu.

Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo.

E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo.

O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor.

Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho.

RESENHA

Nessa primeira visita ao gênero do romance sobrenatural dos últimos anos, estava entre a famosíssima saga dos Instrumentos Mortais, da Cassandra Clare e a trilogia (ou tetralogia, contando com uma noveleta) da Fumaça e dos Ossos, da Laini Taylor. Pegue a da Laini por ser mais curtinha, antes de enfrentar a série dos Instrumentos Mortais, que parece não ter fim!

Já havia lido várias resenhas positivas dessa trilogia da Laini Taylor e confirmei o que elas diziam: Feita de Fumaça e Osso é uma fantasia romântica bem escrita e empolgante, e que rompe os limites e dos tropos (lugares-comuns) dos romances sobrenaturais.

O início segue a estrutura dos romances YA, mas rapidamente a história vai evoluindo e se tornando bem interessante, com um sistema de magia original, baseado em dentes (!!!) personagens interessantes, e muita emoção, no tom dramático e romântico que encaixa bem para esse tipo de narrativa.

Laini lida muito bem com os mistérios da trama, revelando aos poucos e guardando os melhores para os momentos mais climáticos.

Temas como o horror da guerra, o preconceito racial entre povos em guerra (que usa de metáfora os monstros), a corrupção causada na alma por causa de atos de violência, os perigos da vingança, são tratados de maneira bem mais profunda do que eu esperava em um romance sobrenatural juvenil. Gostei mesmo!

A prosa é gostosa de ler, leve, quase invisível e bem “cool”, bem descolada, e Laini se permite até a estruturar os eventos a partir de um ponto de vista psicológico, e coloca muito bem os flashbacks nos momentos certos. E os “infodumps”, os blocos de informação descritiva, são feitos estruturalmente, o mundo dos anjos e quimeras é descrito de uma maneira tão natural que quase passa despercebido.

O livro é o começo de uma série, assim termina com um gancho, mas depois de uma revelação bombástica!

Recomendo, só lembrando que o foco do livro, apesar dos temas épicos de guerra entre povos, é o romance e as emoções dos protagonistas. O cenário, apesar de criado a traços mais rápidos, é bem sólido e as Quimeras, o povo-monstro da série, são bem interessantes. Daria um RPG doidimais!

Anúncios